sexta-feira, janeiro 06, 2006

A Bailarina de Flamenco

(Escultura de Cerezo)


Ela derrama água nos seus pés,
quando dança com o vestido
em chamas,
ela põe fora da boca
o coração cansado.
Seus dedos como os pardais
procuram fugir,
como os sapatos de flamenco
na madeira do soalho.


Bom fim de semana!

2 comentários:

virna disse...

caro joão,

começou muito bem o ano. não conhecia a escultura de cerezo. gostei do poema.
um beijo

Ana Maria disse...

Gosto muito deste poema faz-me dançar com todo aquele ritmo.
espectacular!