sexta-feira, junho 27, 2008

Gasolina, inéditos sobre Hopper (4)


Janelas à noite

O comboio elevado passa
olhares rápidos

O calor do quarto atrai
os olhares

Janelas a espreitar
na noite
uma mulher arredondada
numa combinação vermelha

e
o andar abaixo,
apagado.

The Creative Pen

Congratulations To Al June 2008 Poetry Award WinnersThe Creative Pen - Poetry Forum Members may also view winnersThis link - http://www.freewebs.com/poetrynews/

Author - jtparreira - For Poem Entry - Picasso

quarta-feira, junho 25, 2008

Convite/Apresentação, DiVersos 13

Apresentação de Duas Colecções de Poesia, Quinta-Feira, 3 de Julho, às 18:00

As Edições Sempre-em-Pé e a Casa Fernando Pessoa têm o prazer de convidar V. Exa para uma sessão em que serão apresentadas as duas séries de poesia actualmente publicadas pela editora referida: a série DiVersos - Poesia e Tradução, que se publica desde 1996, e a colecção de poesia UniVersos, iniciada em 2005.

Além de outros números recentes, estará disponível o n.º 13 da DiVersos, acabado de publicar em Junho. Serão lidos poemas por alguns poetas (Cristino Cortes, João Miguel Henriques, J. T. Parreira e Ruy Ventura) e tradutores (Ana Maria Carvalho, José Lima e Manuel Resende) que já colaboraram com a DiVersos.

Dos quatro títulos publicados na colecção UniVersos, os dois últimos serão abordados com mais vagar: Rio Abaixo, Rio Acima, do poeta alemão Tobias Burghardt, numa edição bilingue com tradução portuguesa de Maria de Nazaré Sanches, e Gloria Victis, do poeta Carlos Garcia de Castro, com a presença e apresentação pelo Autor e comentário crítico do Dr. Rui Cardoso Martins, do Jornal Público.

A sessão será coordenada por José Carlos Costa Marques, um dos coordenadores de DiVersos e editor de ambas as séries. A entrada é livre.

terça-feira, junho 24, 2008

O Tempo que passou

3 Poemas de William Carlos Williams
Tradução e apresentação de José Palla e Carmo.
in "Companha", Suplemento do nº271 do jornal "Litoral", Dezembro 1959, Ano I, Nº 4

segunda-feira, junho 23, 2008

Gasolina, inéditos sobre Hopper (3)


EARLY SUNDAY MORNING

Espreitam o sol
as janelas pachorrentas

amarelo-rosa

para o nosso lado
esquerdo
as sombras deslizam

na rua,uma rua
de Hopper

é paciente, espera
logo virão pessoas
dentro de si, vazias
remotas.

Belas, 22-6-2008

sexta-feira, junho 20, 2008

Que pássaros cantam no Paraíso?

"Satan watching the caresses of Adam and Eve", William Blake, in Paraíso Perdido, 1808

Que pássaros cantam
no paraíso que perdi?

Que estrelas, nunca
definitivas, riscaram
num buraco do céu
a sua passagem?

Em que ramo
esqueci o fruto da vida?

Habito as alternâncias do tédio
e do ânimo, às vezes
uma casa de areia
onde mesmo assim existe
um trilho de flores silvestres.

Em que mina de ouro perdi
o olhar, que já foi um brilho
na noite?

Como é difícil ser bêbado
de silêncios.

20-6-2008

Gasolina, inéditos sobre Hopper (2)

Estaçãozinha no Pôr do Sol
a estaçãozinha evita
cair na noite
e espreita
para lá do silêncio
os caminhos de ferro
os sonhos que hão chegar
as malas, a vida
urbana sonâmbula.

segunda-feira, junho 16, 2008

Gasolina, inéditos sobre Hopper (1)

New York Movie
A arrumadora divide
pelas filas
os olhos,
faz sentar
fantasias,

depois
comparte seus
pensamentos
com os dedos,

espera
mais ninguém
nas escadas

Move-se a cena
enquanto
na atmosfera escura
do cinema

as estrelas tremem
por trás
de lágrimas.

16/6/2008

domingo, junho 15, 2008

Gasolina, inéditos sobre Hopper

Gasolina

Mobil Gas no alto
três colunas
num velódromo grego,

espera em
um fundo
a gasolina

e ao longe
a vegetação
é uma
linha sinuosa
do horizonte,

de ninguém.

14/6/2008








Blockquotea poetas e a pintores igualmente se concedeu, desde sempre, a faculdade de tudo ousar.

(Horácio)

sexta-feira, junho 13, 2008

13 de Junho de 1888


Há 120 anos nasceria o Fernando e as suas Pessoas


Brincava a criança
Com um carro de bois.
Sentiu-se brincando
E disse, eu sou dois!

Há um a brincar
E há outro a saber,
Um vê-me a brincar
E outro vê-me a ver.

Estou por trás de mim
Mas se volto a cabeça
Não era o que eu qu'ria
A volta só é essa...

O outro menino
Não tem pés nem mãos
Nem é pequenino
Não tem mãe ou irmãos.

(Fernando Pessoa)

quinta-feira, junho 12, 2008

Prémio da Confraria Camoniana de Ílhavo

J.T.Parreira: 1º prémio de poesia da Confraria Camoniana, 2008, aqui no «Ovelha Perdida», pela mão do meu querido amigo e Poeta, Brissos Lino.

Viagens (3)

Cabo Verde:
Morna

Flor no cabelo areia
Senta na praia onde se enrolam
Vagas à solta de tanta saudade
Calor e sede. Demais
Água nos dedos e tanta saudade
Flor no cabelo na areia e esquece
Senta na praia. Assustam-se as vagas

Vagas nos olhos de tanta saudade
Calor e sede. Mindelo deserto.

(Clélia Inácio Mendes)

quarta-feira, junho 11, 2008

À maneira de e.e.cummings


Thank you for the exquisite jam
Th
an
k you
too
) or also(
for the
71
Cumm
ings’
po? e! ms!!
An
d now –
get into this brazilian hammock and
let me sing for you:
“Lullaby
“Sleep on and on…”

Xaire, Elisabeth.

(Manuel Bandeira)


Obrigado pela rara compota
Obri
ga
do
demais
)ou também(
pelos
71
Poemas
de Cumm
ings !!
E
agora –
metido na minha rede brasileira
deixe-me cantar-lhe:
“Um acalanto
“Dorme, dorme, que a manhã já vem…”

Adeus, Elisabeth


(Trad. J.T.Parreira)

domingo, junho 08, 2008

Os Confinamentos do Poeta (5)


Arte Poética

Uma boa parte dos meus versos
é escrita perto da água
passa-se perto
da água, das águas de duvidosa
validade dos esteiros.

sábado, junho 07, 2008

Os confinamentos do Poeta (4)

Desconheço a famosa angústia do papel branco
as emoções são a cores (o sangue é vermelho!)
mesmo as mais escuras
implicam rugosidades, texturas.

(Brissos Lino)

sexta-feira, junho 06, 2008

quinta-feira, junho 05, 2008

e.e. cummings

Viagens (2)


Buenos Aires
Tango

O corpo de outro corpo atropela avança
Recua, recusa, acusa, rejeita
Lábios e olhos de outros olhos beijam
Os cabelos, a curva do braço. Pausa
Recomeçam no laço as pernas
Arquejo do peito de outro peito. Desmaio
Desenho de tronco partido ao meio de outro meio
Vitrola, piazola geme
Encontro noutro encontro sossega
E cai.

(Clélia Inácio Mendes)

Viagens (1)

Serena Praha, aqui um modo de viajar sobre um território lírico, como Praga. Pelo poeta Brissos Lino.

quarta-feira, junho 04, 2008

Os confinamentos do Poeta (2)

Fica na Rua Moraes e Valle, escondido num canto da Lapa. É um beco que nasceu à sombra das sagradas paredes do Convento do Carmo, da secular Ordem dos Carmelitas.

Poema do Beco

Que importa a paisagem, a Glória, a baía, a linha do horizonte?
- O que eu vejo é o beco.

(Manuel Bandeira)

terça-feira, junho 03, 2008

Os confinamentos do Poeta (1)

Chi son? Sono un poeta.
Che cosa faccio? Scrivo.
E come vivo? Vivo.

(Rodolfo, in La Bohème, de Puccini)

segunda-feira, junho 02, 2008

Obituary


«I know not what tomorrow will bring».

Pessoa morreu no Bairro Alto
os óculos encostados
para sempre, passeava
já à tona
das ondas do lençol;
três dias antes ainda
o viram
a dobrar as esquinas
da Baixa lisboeta,
em gargalhadas soltas
como o riso, uma tosse
a dobrar o corpo para a frente.