segunda-feira, outubro 23, 2017

UM VELHO E O VENTO



Ao longe. Não tão longe que o vento não possa
Trazer até mim nos seus lábios uma flauta, sinto
Que alguém canta, o silêncio de alguém
Que se contenta em cantar
Ao longe talvez sob uma ponte, numa estação
De comboios a limpar a noite dos seus olhos
Ou à beira do rio a ouvir a realidade das águas
Alguém que tacteia no rosto beijos infinitos
Que perdeu, que desenrola nos dedos
Os fios invisíveis que sobram de um rosto amado
Ao longe, onde tudo está perdido.

23/10/2017

©

segunda-feira, outubro 09, 2017

Blogue Nota Terapia - Brasil

e.e.cummings

http://notaterapia.com.br/…/os-10-melhores-poemas-de-e-e-c…/
Com um poema traduzido por J.T.Parreira (o nº 3)



3- Buffalo Bill

Tradução de J.T.Parreira
o defunto
que costumava
montar um garanhão
de prata como água macia
e rebentar umdoistrêsquatrocincotiposdeumavez
oh céus
era um homem bonito
e o que eu desejo saber é
o que lhe parece esse rapaz de olho azul
Senhor Morte

domingo, setembro 24, 2017

AS CRIANÇAS DAQUELA ESCOLA NO MÉXICO





sob montanhas cinzentas 
e montanhas cinzentas”

António Ramos Rosa


Não sabia que se podia levar um dia inteiro
A morrer, com doze anos e com o medo
Do escuro e com tantos meninos à minha volta
Tantos nomes para recordar, não posso
Levá-los todos comigo, já não
Posso respirar por todos, não sabia que este pó
Pesava mais do que o pó de que sou feito
Já não posso esperar mais por essa pequena luz
Teimosa que me chama entre as fendas
Desta montanha cinzenta.

23/09/2017

©  

quarta-feira, setembro 13, 2017

A ORAÇÃO NO GETSEMANE



Seria bonito desaparecer no ar, voltar a casa
Com o odor no corpo das flores
Que Tu criaste, passar entre as folhas
Das oliveiras como o beijo do vento
Seria fácil mesmo com os joelhos feridos
Do chão de onde a minha prece se elevou
Se assim fosse o que seria dos homens?
Morreriam para sempre na minha dúvida
Se é possível que o cálice passe, seria fácil
Não o tragar, não olhar para trás, evanescer no ar.

13/09/2017
© 

sexta-feira, setembro 08, 2017

VAN GOGH

(Furacões Katia, Irma e José)



Vivia no paraíso até que o inferno destruiu
A sua orelha, as cores
Abundantes e os ares azuis do mar
As searas de corvos sobre a sua cabeça
Haja arte
E houve os céus a entrarem em colapso
Em fusão nuclear a rebolarem nos ventos
Haja trevas
E houve montes de feno no lugar das estrelas.

08/09/2017

©

sábado, agosto 26, 2017

O QUE JESUS PODERIA TER SIDO




Jesus não era branco, era judeu, falava uma língua estranha
Até para os escribas que cosiam sobre a pele
Os textos em hebraico. Presumidamente
Ocultava o rosto sob a barba, o seu corpo
Debaixo de uma túnica comprida, os pés
Com a poeira do caminho. Se andasse ainda
Entre nós, no século vinte, teria sobre a capa
A estrela amarela
Aquela que levava aos caminhos da morte
Teria os olhos magros, o medo
Retirando o brilho à fronte cabisbaixa
Os ossos como vidro prestes a partir-se
Numa fila em Auschwitz.


26/08/2017
©



domingo, agosto 06, 2017

POEMA DE MARIA MADALENA JUNTO AO SEPULCRO



Onde puseram o meu Senhor? Mesmo morto

O seu corpo receberia o perfume dos meus olhos

Onde o puseram? Ele não é um morto

Como os outros para que o Seu corpo se consuma

O meu choro é o que sobra do meu coração

Tanto amor, sem retorno físico, preso

Na indiferença da morte

Dizei-me anjos, vós que não trouxestes

Do céu os crepes com que se amortalham os mortos

Não sei onde o puseram, e a Sua ausência

Mais enobrece o meu amor, sou uma mulher simples

Que rompeu as cadeias dos olhares dos homens

Para vir derramar-se junto ao seu sepulcro.



06/08/2017
©