quinta-feira, dezembro 01, 2005

Sem-Abrigo


Quebra
o frio com as mãos
apertadas, um laço
que resiste
na cara da morte
Quebra
o gelo no amor
oculto entre um jardim
aperta as mãos
em cacho
fechado sobre as gretas
que restam aos dedos
sulcos
que um dia ficaram
sem trabalho.

1 comentário:

Ana Maria disse...

é triste porque é a realidade de muitos que não têm lar.
muito bem reportado neste teu poema.
Abraço