segunda-feira, dezembro 05, 2005

O Tempo que passou


Soneto Presente

Não me digam mais nada senão morro
aqui neste lugar dentro de mim
a terra de onde venho é onde moro
o lugar de que sou é estar aqui.

Não me digam mais nada senão falo
e eu não posso dizer eu estou de pé.
De pé como um poeta ou um cavalo
de pé como quem deve estar quem é.

Aqui ninguém me diz quando me vendo
a não ser os que eu amo os que eu entendo
os que podem ser tanto como eu.

Aqui ninguém me põe a pata em cima
porque é de baixo que me vem acima
a força do lugar que fôr o meu.

(J.C. Ary dos Santos)



1 comentário:

Ana Maria disse...

sabes o que gosto mais neste canto, claro a tua poesia em primeiro lugar e depois as ideias que dás para enriquecermos culturamente.
continua porque és necessário neste mundo, mesmo sem lentes-hihihi