sexta-feira, novembro 25, 2005

A Poesia aprisionada num tempo histórico

O teito é de pedra.
De pedra son os muros
i as tebras.
De pedra o chan
i as reixas.
As portas,
as cadeas,
o aire,
as fenestras,
as olladas,
son de pedra.
Os corazós dos homes
que ao lonxe espreitan,
feitos están
tamén
de pedra.
I eu, morrendo
nesta longa noite
de pedra.

(Celso Emilio Ferreiro )

Bom dia!

1 comentário: