quarta-feira, março 01, 2006

Poema tirado do baú

Ai, Margarida,
Se eu te désse a minha vida,
Que farias tu com ella?
-Tirava os brincos do prego,
Casava c'um homem cego
E ia morar para a Estrella.

Mas, Margarida,
Se eu te désse a minha vida,
Que diria a tua mãe?
-(Ella conhece-me a fundo.)
Que ha muito parvo no mundo,
E que eras parvo tambem.

E, Margarida,
Se eu te désse a minha vida
No sentido de morrer?
-Eu iria ao teu enterro,
Mas achava que era um erro
Querer amar sem viver.

Mas, Margarida,
Se este dar-te a minha vida
Não fôsse senão poesia?
-Então, filho, nada feito.
Fica tudo sem effeito.
Nesta casa não se fia.

(Álvaro de Campos)

5 comentários:

Maria Costa disse...

Não conhecia este poema. Gostei da postagem.

Beijinhos.

Ofeliazinha disse...

Hum musica para os meus olhos, gosto muito desse lado pessoano. Abraço.

Ana Maria disse...

ai joão que lindo poema -Alvaro de Campos um heterónimo de Fernando Pessoa que eu adoro ler.
obrigada migo João.

Margarida Lopes disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Margarida Lopes disse...

Gostei particularmente do poema porque para além de me chamar Margarida, venero Pessoa.