sábado, março 21, 2009

Dia Mundial da Poesia

Iremos publicando, ao longo do dia, poemas nossos, inéditos, construídos no momento e inspirados em imagens. Eis o segundo ( escreve no Ovelha Perdida, o poeta Brissos Lino):


O cachimbo de Neruda

O cachimbo de Neruda conhece
por dentro
a voz muda que percorre
o peito do poeta
quando sente a terra e as gentes

conhece o sabor
das palavras que sabem a mar
e sofrimento
conhece até os pensamentos alados
e calmos
de quem vê para lá
das águas.

(Brissos Lino , 21/3/09)

2 comentários:

samuca santos disse...

nos'enhora d'ajuda, que texto é esse?!
a poesia e um poeta que viveu poesia merecem, joão.
brissos lima sabe
"das palavras que sabem a mar"...
posso postar no bloguinho?

J.T.Parreira disse...

Claro, Samuel, podes. Refere a fonte de onde eu o extraí(A Ovelha Perdida) e corrige o nome é Brissos Lino.

Abraços