domingo, maio 28, 2006

Poema de Rafael Alberti (1902-1999)

José Monteiro, Acrílico, 1995
















Balada da Bicicleta com Asas

Aos 50 anos, hoje, tenho uma bicicleta.
Muitos têm um iate
e muitos mais um automóvel
e há muitos que têm já um avião.
Mas eu,
aos meus 50 anos exactos, só tenho uma bicicleta.

Tenho escrito e publicado inúmeros versos.
Quase todos falam do mar
e também dos bosques, dos anjos e das planícies.
Tenho cantado as guerras desculpadas,
a paz e as revoluções.
Agora não sou mais do que exilado.
E a milhares de quilómetros do meu belo país,
com um cachimbo curvado entre os lábios,
um caderninho de folhas brancas e um lápis
corro na minha bicicleta por bosques urbanos,
pelos caminhos ruidosos e asfaltadas ruas
e detenho-me sempre junto a um rio
a ver como se deita a tarde e com a noite
se perdem na água as primeiras estrelas.

(Tradução: J.T.Parreira )


2 comentários:

Ana Maria Costa disse...

Excelentes os textos aqui postados, parabéns pelo blog!
Abraço!

Celso disse...

Belo texto, que eu desconhecia.

Parabéns pela tradução e pesquisa.

Sds