terça-feira, abril 18, 2006

O Tempo que passou

Edição de 1969


A Porta

Gabriel Celaya

Parei-me, pequeno, diante da enorme porta
de madeira escura, com bronzes fabulosos.
Devo chamar? Devo esperar? Devo algo?
Parece que sim. Não sei. Recordo talvez
o menino que procurava chegar ao trinco.
Eu tão-pouco chego, nas pontas dos pés, nem nos sonhos.
E logo a porta abre-se lentamente,
devagar, com o leve guincho de cem séculos,
e põe diante de mim, ansioso, largo, quadrado,
um espelho de prata, e nele, quem não conheço.

(Tradução: J.T.Parreira)


1 comentário:

Maria Costa disse...

Gostei de ler esta tradução poética de "A Porta". As interrogações dão vida ao poema.

Beijinhos.