quinta-feira, fevereiro 25, 2010

Um par de botas

Há botas velhas tão limpas
como rosas

De pétalas dobradas, tristes
canos que adornaram
tíbias orgulhosas

Botas à volta das quais
o vento e a poeira
rodopiam, rosas
que esperam a calma
das mãos que as depositem
num canto da sala

Há botas tão interessantes
como rosas
como o veludo das rosas
para nos adoçar os dedos

Botas velhas para o secreto
movimento dos pés.

25/2/2010

3 comentários:

Jessica Morais disse...

Mt belo...
Que seria de nós, humanidade, sem esta visão descritiva dos poetas?

Bem-haja!

Sip of Glory disse...

Até um par de botas
tortas
inspiram no poeta
alegria
pois vê com olhos sãos
e sente com as mãos
as coisas simples da vida
contida
em versos de luz e cor
e de amor.
Até um par de botas
velhas e tortas
parecem agora rosas
vaidosas.

hfm disse...

Dos simbolismos das metáforas! Belo!