quarta-feira, setembro 27, 2006

América, América

Poema de Delmore Schwartz

Eu sou o poeta do rio Hudson e das alturas acima dele
as luzes, as estrelas e as pontes
também por auto-nomeação sou poeta laureado do Atlântico
-do coração dos povos, cruzando a
nova América.

Eu carreguei com toneladas de ilusão , esperança,
adquiridas suando febrilmente em trânsito
na 3ª classe para o desconhecido e afastado
Por isso devo descobrir e descrever o reino da emoção.

Para mim sou o poeta do jardim-escola (na cidade)
e do cemitério( na cidade)
E do extâse e do ragtime e também da secreta cidade
no coração e na mente
Este é o cântico natural próprio da cidade no século XX.

É em parte verdadeiro que uma cidade é uma «tirania
de números»
(É o cântico do homem urbano e
do eu metafísico
Depois das primeiras duas Guerras Mundiais do século XX)

---É o ego da cidade, olhando de janela a janela
iluminada
Quando os rectângulos e frinchas de débil luz dourada
Brilham à noite, em blocos sombrios como as lages dos túmulos,
Escondendo muitas vidas. É a consciência da cidade
Que vê e diz: mais: mais e mais: sempre mais.

(Tradução de J.T.Parreira)

2 comentários:

Mendes Ferreira disse...

o grande dédalo...a cidade.


excelente este américa....


obrigada pela leitura.

não conhecia.


boa tarde.

Maria Costa disse...

Forte poema. Gostei da traduçao.

Abraço.